1.11.17

Nobreza figadal



Hepatica nobilis Mill.



Resolvamos juntos o exercício de identificar esta planta que, não ocorrendo em Portugal, é bastante frequente na metade leste da Península Ibérica, tanto em bosques como em taludes rochosos calcários resguardados por alguma sombra. É uma herbácea perene e algo peludinha, de porte rasteiro e flores solitárias (brancas, azuis ou arroxeadas) que nascem entre Março e Maio, quando os carvalhais ou faiais ainda não se cobriram de folhagem e alguma luz penetra até ao solo.

Comecemos por anotar o que é peculiar nas folhas: são basais, coriáceas, glabras mas de margens ciliadas, com as faces manchadas de púrpura, trilobadas e cordiformes na base (como o símbolo do naipe de paus nos baralhos de cartas). A morfologia das flores ajuda-nos a descartar algumas famílias (por exemplo, não se trata de um trevo pois faltam a quilha e o estandarte usuais nas flores das leguminosas). Além do arranjo simples e simétrico das tépalas (cinco ou mais), há inúmeros estames ao centro. O conjunto lembra-nos um tipo de anémona comum no Gerês. Temos, portanto, um palpite quanto à família: Ranunculaceae. É quanto basta para, consultando um guia de plantas (das Astúrias, mas poderia ser do Japão, não fosse o problema da língua), descobrirmos o nome do género (Hepatica, em alusão às manchinhas nas folhas, como as que marcam as faces de alguns doentes do fígado) e da espécie (nobilis, que indica fama, seja ornamental seja terapêutica).

Este género, de que se conhecem umas sete espécies no hemisfério norte (a mais recente é um endemismo chinês), é em algumas Floras incluído em Anemone, recebendo então a Hepatica nobilis a designação Anemone hepatica que Lineu lhe atribuiu. Há, porém, uma diferença relevante a separá-los: na Hepatica não existem folhas caulinares, havendo apenas três brácteas formando uma espécie de cálice na base das flores. Nestas não se vê sinal de néctar, e (diz quem sabe) são as formigas as responsáveis por dispersar as sementes. Estas são verdes quando maduras, e cada um dos numerosos aquénios (veja na 1.ª foto) contém exactamente uma.

1 comentário :

bea disse...

são lindas as hepáticas.E na verdade têm um certo ar de família japonêsa.