9.1.18

Globos azulibrancos

Por razões misteriosas, aprendemos tão bem e estamos tão habituados a reconhecer formas tridimensionais que, quando as vemos fotografadas, julgamos detectar volumes e sombras em imagens que, sendo planas, não os possuem. O centro que interpreta o que vemos é perfeito para ser enganado. Este logro, que é afinal um acerto, é uma das razões do sucesso da fotografia. Por vezes, nem temos dúvidas de que uma foto é mais nítida e completa do que a realidade. E todavia, sem referenciais, as fotos podem ser maus testemunhos. Nas que lhe mostramos hoje, o ponto de apoio é dado pelas flores. São de igual tamanho e aspecto em ambas as plantas, por isso pode deduzir-se destes retratos que a folhas da primeira são muito maiores do que as da segunda. Além disso, uma das plantas é lenhosa e vive colada à rocha exposta de calcário, enquanto a outra, em rochedo próximo mas recatada numa fissura, é herbácea e exibe pecíolos longos e hastes florais proeminentes, na extremidade das quais oscilam sedutores capítulos de florinhas azuis.



Globularia nudicaulis L.





Globularia repens Lam.



É um enigma que espécies distintas do mesmo género coexistam independentes num mesmo habitat. Mas a crer em algumas simulações de jogos, não é garantido que, florescendo ao mesmo tempo e a poucos metros de distância uma da outra, sejam rivais na atracção de polinizadores. O mais certo é que tenham uma estratégia solidária no uso dos bens que o habitat oferece, vencendo em grupo em vez de cada uma arriscar perder individualmente.

Espanha conta com nove espécies de Globularia, algumas de regiões com invernos muito frios (como estas que vimos na Cantábria), ou que preferem taludes rochosos expostos ao sol e à secura ou que, pelo contrário, dão primazia à proximidade de cursos de água. Com preferências tão variadas, dir-se-ia ser um género de distribuição vasta. Por cá, porém, só há registo de duas espécies, e são ambas raras.

1 comentário :

bea disse...

As plantas dão lições de convivência aos humanos:).